Vantagens do aleitamento materno

3 08 2011

PARA A MÃE (NUTRIZ):

– Prevenção de hemorragia após o parto: O hormônio ocitocina que favorece a descida do leite pela contração das células mioepiteliais ao redor dos alvéolos mamários, também produz contração da musculatura uterina, contribuindo para a expulsão da placenta e para a redução do sangramento, prevenindo a hemorragia após o parto.

– Emagrecimento: Para a produção de leite, ocorre mobilização das reservas adiposas maternas, acumuladas durante a gestação, colaborando com o retorno do peso materno normal.

– É reconhecida como um método contraceptivo natural: O aleitamento materno exclusivo em livre demanda exerce um efeito inibidor sobre a ovulação, mediado por mecanismo de retroalimentação entre hipotálamo, hipófise e ovários. Com a sucção do bebê, ocorre liberação do hormônio prolactina pela glândula hipófise anterior (hormônio que estimula a produção de leite), que também ajuda a suprimir a liberação dos hormônios luteinizantes e folículo estimulante, necessários ao desenvolvimento e à expulsão do óvulo. Assim, com a amamentação, é possível prolongar a infertilidade depois do parto inibindo a ovulação e a menstruação.

– Prevenção de câncer: A proteção contra câncer de mama e de ovário também se relaciona com a prática do aleitamento materno.

– Vínculo mãe-filho: Sabe-se que o contato precoce entre ambos pode influenciar a conduta posterior das mães em relação a seus filhos, o que é expresso no desenvolvimento do apego, no menor índice de rejeição e abandono e, consequentemente, na maior duração do aleitamento materno. Pode-se dizer que as mães que amamentam são menos ansiosas e expressão maior satisfação em alimentar e interagir com seus bebês.

 

PARA O BEBÊ (LACTENTE):

– Crescimento e desenvolvimento adequado: Por garantir os nutrientes necessários.

– Crianças amamentadas com leite materno têm um escore no desenvolvimento cognitivo significativamente maior do que os amamentados com fórmulas lácteas.

– Maior estabilidade emocional, e de comportamento, bem como melhor acuidade visual e habilidade motora, provavelmente em razão da presença de ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa (DHA – ácido docosaexaenóico e ácido araquidônico) importantes para o rápido desenvolvimento nervoso imaturo do bebê.

– Sistema imunológico: O aleitamento materno permite a comunicação imunológica entre mãe e filho por meio de hormônios, fatores de crescimento e citoquinas. Os nucleotídeos, glutamina e lactoferrina presentes no leite materno influenciam o desenvolvimento gastrintestinal e a defesa do organismo.

– Diminui a incidência e/ou gravidade de diarréia, infecção respiratória baixa, otite média, bacteremia, meningite bacteriana, botulismo, infecção no trato urinário e enterocolite necronizante.

– Possível efeito protetor contra a síndrome da morte súbita, diabetes insulino-dependente, doença de Chron, colite ulcerativa, linfoma, doenças alérgicas e outras doenças digestivas crônicas, câncer e doenças cardiovasculares.

– Amadurecimento da função oral, pela correta posição durante a demanda, favorecendo o desenvolvimento dos músculos e ossos da face, evitado também os distúrbios dos órgãos fonadores e a síndrome da respiração bucal.

– Contato do lactente com diversos sabores, por meio de compostos químicos de aroma e sabor presentes no leite materno, e que refletem diretamente os alimentos ingeridos pela mãe, que contribui para a melhor aceitação dos alimentos complementares, bem como familiariza o lactente com tipos e intensidade de sabores da cultura e da região a qual pertence.

PARA A FAMÍLIA:

– O aleitamento artificial acarreta custo adicional no orçamento da família, no qual deve ser considerado o valor do alimento substituto utilizado como também de todos os utensílios, equipamentos e tempo dispensado para preparo.

– Risco de diarréia, custos médicos, medicamentos, internação, falta dos pais ao trabalho por meio de doença da criança.

– O leite materno está sempre pronto para o consumo, com composição e temperatura adequada, proteção contra algumas doenças infantis e também doenças futuras do adulto.

– Aleitamento materno contribui para um melhor desenvolvimento emocional, social e psicomotor nas crianças.

 

FONTE:

Tratado de Alimentação, Nutrição e Dietoterapia (Chemim, Mura)

Anúncios




Dúvida da leitora: Primeira sopa do bebê

2 03 2011

Olá, tenho 25 anos e um filho de 4 meses, gostaria de saber qual a alimentação adeuqda para ele, quando devo dar a primeira papinha, sopinha, suco, enfim a primeira refeição.

Há algum alimento proibido?

Obrigada

M.A. São Paulo

 

Obrigada pela confiança M.A.

Creio que essa é uma dúvida de perturba muitas mamães por ai…

Até os 6 meses de idade o ideal é aleitamento materno exclusivo. Isso significa que o bebe deve receber somente o leite da mãe, sem papinha, água, suco, chás…só o leite materno. E o aleitamento materno deve continuar até pelo menos os 2 anos de idade.

Se caso o aleitamento materno não aconteceu ou foi interrompido deve-se usar uma formula infantil. Mas para saber qual a idela para seu bebê somente consultando um nutricionista, para avaliação mais aprofundada.

A partir dos 6 meses a criança já pode receber alimentos.

Começe com suco de frutas. Escolha uma fruta e ofereça o suco. Na proxima vez escolha outra fruta e assim por diante. Mas sempre com uma fruta somente e sem adicionar açúcar, por isso é mlehor escolher as frutas mais doces.

Quando descobrir quais frutas ele gosta e quais não gosta começe a misturar as frutas, coloque 2, depois 3…Assim você descobrirá quais sabores agradam seu bebê e se por ventura ele tiver alergia de algum alimento você descobrirá com maior facilidade.

Como saber se seu bebê gosta de determinado alimento? Pro bebê é tudo novo, sabores novos, texturas novas e às vezes é necessário oferecer mais de uma vez o alimento. O ideal é oferecer umas 10 vezes…se nas 10 ele desprezar, fazer careta ou qualquer ação parecida é porque ele não gosta e não é necessário forçá-lo a comer. Há outros alimentos com os nutrientes do que ele não gosta, não se preocupe.

Nessa fase você já pode começar a oferecer água também. Sempre filtrada ou fervida e em temperatura ambiente, já que os bebês são mais sensíveis que nós.

É importante também que os horários sejam respeitados e que essa introdução não demore muito mais que algumas semanas. Não precisa ficar meses esperimentando frutas, ok!

Quando seu bebê já estiver familiarizado com os sucos, ofereça papinhas de frutas, por exemplo, banana, maçã, mamão, pera, pêsssego, abacate…sempre lembrando de oferecer primeiro sozinho, depois associar as frutas, até porque ele precisa conhecer o sabor das frutas.

“Um dos problemas enfrentados por mães que ofereceram sempre alimentos misturasdos aos filhos é que eles não conhecem o sabor do alimento e tem medo de experimentar, ou se ele tiver alguma alergia tem que retira todos os alimentos e introduzir um por um até descobrir o alérgeno”

 

Não precisa demorar muito também. Depois do perído das frutas, ofereça as verduras e legumes. Da mesma maneira, primeiro 1, depois associados…é legal também que sejam cozidos e amassadinho, já que o bebê não tem dentes ainda…mas assim que os dentes forem nascendo começe a oferecer pedaços um pouco maiores (que caiba na boca da criança), para ela começar a sentir melhor a textura do alimento.

É extremamene importante que você não coloque muito tempero, como eu já disse a criança é mais sensível que nós. E não precisa de muito sal, nem temperos prontos. Opte por ervas tipo cebolinha, salsinha, alho, cebola e outros, mas sempre em pequena quantidade.

Depois dos vegetais você pode também inserir os cereais (macarrão, pão, arroz…), as leguminosas (feijão, lentilha, ervilha…) e as carnes(preferindo sempre as mais magras)

O ideal é variar bastante. Algo perceptível hoje é que a maioria das pessoas só comem arroz, feijão, carne de vaca e salada de alface e tomate. Tenho certeza que se você variar a alimentação de seu filho desde cedo e incentivar esse hábito sempre ele irá ser muito mias saldável e poderá desfrutar de todos os nutrientes dos alimentos “desconhecidos”.

Outras dicas importantes são:

– Não oferecer bolacha recheada. Não é proibido, mas deixe que ele descubra o sabor dela daqui alguns anos.

– Iogurtes e afins, devem ser oferecidos apenas após os 2 anos de idade.

– Refrigerantes são desnecessários. Seu filho não conhece o sabor dele e nem precisa conhecer tão cedo. Há estudos que dizem que compostos dos refrigerantes retiram o cálcio dos ossos, prejudicando o crescimento e acarretando em diversas doenças no futuro.

– Não é necessário ainda colocar achocolatado no leite. Se você começar com leite puro a criança vai gostar dele assim.

– Respeite sempre os horários da alimentação. Café da manha, lanche da manha, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia. Se começar a oferecer os alimentos na hora errada se filho se adaptara a eles e dificilmente você conseguirá organizá-los depois.

Optar por hábtos saudáveis desde a infância é a melhor maneira de ser um adulto saudável.





Amamente e dê saúde a seu filho

2 08 2010

 

A Semana Mundial da Amamentação – SMAM, celebrada anualmente de 1º a 7 de agosto, foi idealizada pela WABA (World Alliance for Breastfeeding Action – Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno) e é comemorada desde 1992 em mais de 150 países com o propósito de promover, proteger e apoiar o aleitamento materno.

 
A cada ano, a WABA define o tema central da campanha, que passa a ser discutido nos diversos países, unificando as comemorações em todo o mundo. O tema definido para 2010 é “Iniciativa Hospital Amigo da Criança” (IHAC). A IHAC foi criada há vinte anos, a partir da Declaração de Innocenti, na qual foram determinadas metas e objetivos para a promoção da amamentação exclusiva até os quatro ou seis meses, e continuada até o segundo ano de vida ou mais. Cerca de 28% das maternidades do mundo (em torno de 20.000) são credenciadas na IHAC. No Brasil, 335 maternidades já foram credenciadas na Iniciativa.
 
 
Saiba, então, a importância do seu leite para seu filho
 
A produção e liberação do leite são induzidas por diversos hormônios que atuam simultaneamente na mulher, mas há alguns fatores que podem dificultar esse momento, que são: stress, medo de amamentar, ansiedade, dor, cansaço, ingestão de bebidas alcoólicas, entre outros. E como é complicado controla-los, principalmente por serem, na maioria das vezes psicológicos, há outros fatores que podem ajudar a mulher nesse período, como sucção do bebê (e se ele não estiver conseguindo peça para seu companheiro fazer o trabalho até que o leite saia e lembre-se de higienizar quando for a vez do bebê, ok!) , estimulos visuais, olfativos, auditivos e de condicionamento.
 
Uma alimentação equilibrada é essencial, já que a criança dobra o peso até o quarto mês e a mãe precisa de muita energia para suprir as necessidades do bebê e a suas também. Lembre-se a saúde do bebê depende da saúde de mãe.

É importante aumentar o consumo de cálcio através de leite, queijo, iogurte, qualhada e similares, pois o bebê está crescendo muito rápido e precisa de cálcio para formar os dentes e ossos, se a mãe não ingere, vai faltar cálcio pro bebê e as reservas da mãe serão “doadas” através do leite, assim, mãe e filho ficam com deficiência.

As proteínas (carnes, leite e derivados) formam os tecidos e anticorpos, ou seja, não pode faltar de jeito nenhum.

A vitamina A é responsavel pela visão e sua deficiência pode causar segueira noturna.

As vitaminas do complexo B ajudam no metabolismo de carboidrato, gordura e proteína, ou seja, se ficar sem elas é o mesmo que ficar sem energia e sem todos os benefícios do carboidrato, da proteina e do lipídeo, além de fica sem os benefícios dessas vitaminas.

Não só esses nutrientes, mas todos são importantes, por isso procure um nutricionista, peça um complexo vitaminico e faça uma dieta SUPER saudável.

IMPORTANTE

– Seu leite não é fraco, ele tem tudo que SEU filho precisa.

– A quantidade de leite produzida é proporcional à demanda.

– Nos primeiros dias é normal que você produza pouco leite, lembre-se que o estômago do seu bebê é bem “pequeniniho” ainda.

– Ingira muito líquido.

– Este não é o melhor momento para fazer dieta, aliás seu excesso de peso é essencial, mas isso não é motivo para comer além do necessário e não estou apoiando a obesidade,ok!

– Até os 6 meses de vida só o leite materno já é suficiente. Após esse perído introduza gradualmente os alimentos sólidos, água e sucos e continue amamentando até os 2 anos ou mais.

– Refrigerantes, principalmente os que são a base de cola, roubam o cálcio dos ossos e dentes, então se quer um filho com saúde de ferro deixe que ele descubra essas bebidas mais tarde (bem mais tarde).

– Evite produtos com cafeína ela passa para seu bebê através do leite, aliás, tudo que você ingerir passa pelo leite.

– Formulas infantis (leite em pó) e leite de vaca só seram permitidos se o nutricionista ou pediatra prescreverem. [ PS: O leite da vaca é produzido para o bezerro que nasce com 30Kg e chega aos 200kg com 1 ano, esse não é o caso de seu filho. O leite de outros animais vai machucar o intestino do bebê e pode causar alergias e intolerâncias].

Não ofereça nem deixe ninguem oferecer outro leite para seu filho.

– Com o leite materno você previne alergias no bebê e cancer de mama em você.

– Outra vantagem é que ele é a opção mais barata (e saudável).

– Amamentando você aumenta o vínculo mãe-filho.

– Nos primeiros 7 dias o leite materno é chamado de colostro, ele é amarelado e mais viscoso. Além de ser rico em proteína (anticoprpos, imunoglobulinas, substâncias antiinflamatórias e antimicrobianas – 1ª defesa da criança), vitamina A e minerais

– Seu bebê precisa de gordura BOA para desenvovimento cerebral, ele irá consegui-la se você ingerir azeite, abacate, cocô entre outros.

– Inicie o aleitamento na primeira meia hora de vida da criança, e exija quarto conjunto no hospital.

Essas são algumas dicas sobre ALEITAMENTO MATERNO, durante a semana publicarei mais dicas bem interessantes.